sexta-feira, 20 de maio de 2011

Retrilhar educando: a consciência move a cidadania.


Retrilhar sempre ampliando a compreensão acerca do valor da diversidade e da valorização dos indivíduos enquanto fonte de afeto para a construção da felicidade.
O Projeto VER DE TREM  comemora  19 anos da partida do trem que saiu  da Bahia  rumo a ECO 92 no Rio de Janeiro,   comemora também o início do debate paciente e determinado em sintonia com a AGENDA 21  destacando a ação local dos moradores por um novo planejamento urbano que oportunize o pleno desenvolvimento do potencial afetivo de todos que compartilham o espaço comum das cidades.

Agir localmente e pensar globalmente tem sido o exercício diário das lideranças envolvidas na defesa do direito de ir e vir e do meio ambiente. O PROJETO VER DE TREM  é a ferramenta desenvolvida pela comunidade para efetivar uma extensão, a partir  do poder originário da cidadania, em direção às diversas instancias de representação social. Estabelecer o consenso técnico que oriente a ação do Estado  na direção do interesse público  é o principal objetivo do PROJETO VER DE TREM.
Estes 19 anos de debate é a garantia social  da opção pelo diálogo que fundamenta ações duradouras como legado democrático para as  futuras gerações.

A Bahia  tem o dever de orientar o debate sobre os rumos da nação brasileira da qual é berço e o PROJETO VER DE TREM  é  a contribuição paradigmática sobre meio ambiente, tecnologia e principalmente sobre democracia enquanto busca constante do bem estar coletivo e respeito a cidadania.

Neste domingo  22 de maio estaremos relembrando os primeiros passos da nossa caminhada e reafirmando a disposição de retrilhar sempre colocando a técnica a serviço da ética, orientados pela AGENDA 21  para efetivar seus comandos estabelecidos pela sociedade mundial.

Agir localmente, pensar globalmente.

Dia 22 de maio de 2011  , domingo, 10 horas.
Local :Ravena , Próximo a Estação Ferroviária de Periperi.

Sua presença é indispensável, você faz parte desta caminhada.

Telefone 3498 2271   E-mail verdetrem@bol.com.br

Fonte: http://projetoverdetrem.blogspot.com/

O BRT de Bogotá não deve ser modelo para Salvador

O BRT de Bogotá na Colômbia é a grande estrela da mobilidade urbana de corredor de ônibus em Salvador proposto pela prefeitura e apoiado pelos empresários de ônibus. Mas não se engane, o sistema é bruto!

Estações e ônibus superlotados, filas e longa espera nas estações, o não cumprimento de horários e os frequentes acidentes são alguns dos problemas comuns do modelo que querem para Salvador. Veja imagens do BRT de Bogotá:
Superlotação nas estações e ônibus

Protestos frequentes devido a deficiência do sistema
Acidentes frequentes
Os cidadãos de Salvador e de Lauro de Freitas querem VLT ou Metrô.
Acesse o manifesto "Eu quero VLT em Salvador" e faça sua adesão à campanha.
Facebook/vltemsalvador
Twitter/vltemsalvador

Matérias interessantes:

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Aprovado o projeto que estebelece diretrizes para sistema cicloviário

A Câmara Municipal de Salvador aprovou na tarde de terça-feira (17), por unanimidade, projeto de lei de autoria do vereador Gilmar Santiago (PT), que estabelece diretrizes para a criação do Sistema Cicloviário do Município de Salvador. A proposta pretende viabilizar o uso de bicicletas para o transporte urbano, contribuindo para o desenvolvimento da mobilidade sustentável ... Leia mais


Fonte: Página de internet do Vereador Gilmar Santiago.


Matéria relacionada: Governo do Chile estimula a utilização de bicicletas.

A cidade de Natal também adotará o VLT

A cidade de Natal implantará o VLT
O governo do Rio Grande do Norte e a prefeitura de Natal defenderam ontem (17) no Ministério do Esporte novos projetos de mobilidade urbana para a capital potiguar, uma das cidades-sedes da Copa do Mundo de 2014. 

Os projetos envolvem recursos da ordem de R$ 150 milhões para a reestruturação de corredores de transportes públicos e mais R$ 130 milhões para a primeira fase de implantação da infraestrutura de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), ligando o bairro da Ribeira, em Natal, a Extremoz, município da região metropolitana. Os recursos pleiteados são do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2, do governo federal.

De acordo com a prefeita Micarla de Sousa, o projeto básico apresentado em Brasília deve ser aprovado até julho, quando deve começar a elaboração dos projetos executivos. “Esperamos que a resposta positiva seja dada em até dois meses.”

Operacionalidade
A proposta da infraestrutura a ser implantada vai melhorar a operacionalidade do sistema de transporte público da cidade nos aspectos de segurança, acessibilidade, rapidez nos deslocamentos. A prioridade é dada aos usuários do transporte coletivo, permitindo a integração da rede urbana e, no futuro, da rede metropolitana nos aspectos físicos e tarifários. 

O projeto consiste na implantação de 31 km de corredores exclusivos e semi-exclusivos, dotados de uma sinalização horizontal e vertical, reformulação de abrigos de passageiros, recapeamento asfáltico e concretagem nas áreas de frenagem e corredores exclusivos, bem como acessibilidade universal nos passeios.

A secretária de Mobilidade Urbana de Natal, Elizabeth The, estima que os projetos beneficiem até 500 mil pessoas. 

Ciclovias
Micarla também pediu ao governo federal a inclusão do plano de ciclovias de Natal, cujo valor é da ordem de R$ 3 milhões, compreendendo trechos da zona leste ao centro da capital. Para as demais etapas seria necessário aporte de mais R$ 7 milhões.


Fonte: 
http://www.copa2014.org.br/noticias/7063/NATAL+APRESENTA+NOVOS+PROJETOS+DE+MOBILIDADE+URBANA+EM+BRASILIA.html

Instituto dos Arquitetos do Brasil na Bahia critica o BRT

O Instituto dos Arquitetos do Brasil na Bahia (IAB) criticou a escolha do Bus Rapid Transit (BRT), sistema de ônibus expresso, como saída para desafogar o trânsito na capital baiana e promover melhorias viárias para a Copa do Mundo de 2014. Em documento divulgado nesta terça-feira (12), durante o Seminário de Acompanhamento das Ações para Realização da Copa 2014, no Hotel Othon Palace, a entidade considera que as obras para o evento devem ser pautadas em planejamento de médio e longo prazo “para evitar que não se invista recursos públicos em obras inadequadas”. De acordo com o IAB, um exemplo de recursos mal aplicados seria a escolha do BRT para ser implantado, por exemplo, na Avenida Paralela, quando, conforme a entidade, há quase uma unanimidade entre os especialistas em mobilidade urbana de que esta é considerada a pior opção. “A realização da Copa não pode atropelar a cidadania para atender pressões de interesses corporativos que, literalmente, desperdiçarão recursos públicos”, dispara a instituição. 


Outra crítica do IAB é com relação à falta de informações detalhadas sobre os valores dos investimentos que serão feitos nos projetos de mobilidade em 10 das 12 cidades-sede. “À exceção do Rio e de Recife, não existem planos urbanísticos para canalizar os investimentos para o evento”, diz o documento. Neste sentido, também é criticado o modelo de envio dos projetos em prol do fluxo viário através de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), conforme proposto pelo governo estadual. Para os arquitetos, não há participação da sociedade civil na discussão dos projetos. Para o instituto, a modalidade “não garante a participação da população no processo de escolha”, portanto, não é democrática.


Fonte: Bahia Notícias 

BRT, a vergonhosa manipulação da opinião pública

Não podemos deixar de registrar mais uma vez a grosseira tentativa de inviabilizar o transporte sobre trilhos (VLT - Veículo Leve sobre Trilhos, Metrô) para Salvador no corredor da Av.Paralela por aqueles que defendem a implantação do BRT apenas por interesses políticos e comerciais colocando em segundo plano o interesse público, o qual deveria ser observado como fator de importância primordial. 


Usam eles o argumento de que o Metrô é uma obra com mais de 11 anos que não ficou pronta e que por essa razão não se deve implantar um Metrô de superfície na Paralela e que os defensores do VLT usam esse nome como marketing porque o nome Metrô já está desgastado.Falam com se o próprio Metrô fosse o culpado de tudo, e entre eles a administração municipal que também usa do mesmo argumento quando transfere toda culpa da sua incapacidade administrativa, da sua incompetência e da sua falta de responsabilidade com o interesse público, para o Metrô que é apenas uma vítima disso tudo.


Todos nós sabemos e é fato público e notório as demandas judiciais que envolvem a referida obra. Sendo assim, tanto faz ser Metrô, VLT, Trem, BRT ou até mesmo uma linha de Vans Clandestinas, seriam todos vítimas do mesmo mal, que castiga a obra do Metrô. Quem garante que não ocorreria exatamente os mesmos problemas existentes na construção do Metrô se ao em vez dele em seu lugar fosse construído por exemplo um sistema de BRT????!!!!! Será que os defensores do BRT não conseguem imaginar isso?!!! Já aconteceu uma vez na década de 80 quando tivemos um BRT meia sola que foi batizado de TMS (Transportes de Massa de Salvador) operado pela então empresa Ogunjá que todos nos sabemos com acabou por falta de planejamento, má administração divergências de interesses dentro do próprio sistema de transportes e feita na base do improviso e imediatismo sempre através da velha e conhecida solução paliativa ao invés de se buscar uma opção correta e duradoura.


O debate feito de maneira séria e responsável é sadio e enriquecedor, o que não devemos e não podemos aceitar é o oportunismo de pessoas que manipulam de maneira vergonhosa a opinião publica para tirar vantagens eleitoreiras e comerciais iludindo e enganando a todos tentando vender uma idéia desastrosa que terá, sem dúvida, uma repercussão bastante maléfica e negativa para a nossa cidade e toda a sua população a curto prazo e com conseqüências incorrigíveis ao longo do futuro, com graves prejuízos para todos inclusive para o meio ambiente. 

Todos nos já conhecemos e sabemos muito bem como é, como funciona, e todos os males causados ao povo e a cidade pelo transporte por ônibus de Salvador e isso não ira mudar apenas e simplesmente com uma maquiagem cara e espetaculosa. Ao que parece mesmo é que muita gente finge ignorar propositadamente tudo isso na tentativa de fazer prevalecer única e exclusivamente os seus interesses particulares em detrimento do interesse maior, o público. Só mesmo quem faz questão de não enxergar e não quer vê, por conveniência própria, é que finge acreditar na sua própria mentira, batizada com o nome de BRT.


Fonte: Pregopontocom@tudo

Assine agora o manifesto de apoio ao VLT e Metrô. Participe ativamente do movimento "Eu quero VLT em Salvador"
Facebook/vltemsalvador
Twitter/vltemsalvador

quarta-feira, 18 de maio de 2011

A má qualidade da educação está intrinsicamente ligada à má qualidade do transporte público

O vídeo que você verá expõe a situação em outro estado do Brasil, mas bem que poderia ter sido feito aqui na Bahia. A má qualidade da educação está intrinsicamente ligada à má qualidade do transporte público que temos, talvez seja intencional, quanto mais "analfabetos políticos" melhor para a prestação de péssimos serviços públicos, corrupção e práticas eleitoreiras.
video
Por esta realidade exposta é que conclamamos a todos aqueles que entendem o valor da educação para a transformação e o sucesso de um país que se integrem ao movimento "Eu quero VLT em Salvador" para defendermos a adoção de transporte público de qualidade com o VLT - Veículo Leve sobre Trilhos e o Metrô.

Assine agora o manifesto de apoio ao VLT e Metrô
Facebook/vltemsalvador
Twitter/vltemsalvador

Prefeitura de Salvador reconhece as vantagens do VLT

"O sistema de locomotivas, que hoje faz o percurso Paripe-Calçada, será transformado em Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), como parte do projeto de integração do transporte de massa da capital baiana, previsto no plano de mobilidade urbana. 


O projeto foi elaborado em parceria com o governo do Estado, mas será executado e administrado pela Prefeitura do Salvador através da Companhia de Transporte de Salvador (CTS), que já opera o trem do subúrbio ferroviário. 


O cidadão vai comprar um bilhete (passagem) na estação do VLT em Paripe, vai de VLT até a futura estação de transbordo da Calçada, a qual contará com um terminal de ônibus e com o mesmo bilhete irá o Acesso Norte."


O movimento "Eu quero VLT em Salvador" espera que com a mesma lucidez que definiu o VLT como meio de transporte para o trecho Paripe-Calçada traga o VLT ou o Metrô para o trecho Acesso Norte-Lauro de Freitas.


Texto extraído do Jornal Tribuna da Bahia Online (com adaptações) e comentários incluídos por nós.

Movimento "Eu quero VLT em Salvador" expõe e debate com vereadores de Salvador

Álvaro Almeida em debate com os vereadores - créditos Eliezer Santos
Na terceira reunião de trabalho da Comissão de Acompanhamento dos Recursos e da Realização das Obras Destinadas ao Município de Salvador para a Copa do Mundo de 2014, na manhã desta quinta-feira (12), no auditório da Câmara, o presidente da comissão, vereador Sandoval Guimarães (PMDB), abriu espaço para uma palestra sobre o VLT (Transporte Leve sobre Trilhos) e informou que o colegiado foi convidado para uma atividade do Conselho Gestor dos Empreendimentos para a Copa, pleito da última reunião.
Segundo o vereador Sandoval, o colegiado da Copa fará uma sessão especial para debater as etapas reais de implantação do modal de transporte de massa para Salvador e convidará Zezéu Ribeiro, secretário estadual de Planejamento; Otto Alencar, vice-governador e titular da pasta estadual de Infraestrutura; e José Mattos, secretário municipal de Transportes. Realizará também um fórum municipal, no final deste mês, no Centro de Cultura da Câmara.
Palestra VLT
Uma breve e esclarecedora palestra sobre o modal VLT, confrontando-o com o BRT (Corredor de Ônibus), foi apresentada por Álvaro Almeida, integrante do movimento “Eu Quero VLT em Salvador”, da sociedade civil organizada.
De acordo com Álvaro, “o VLT é um sistema seguro, rápido, eficaz, confortável e ecologicamente correto, pois faz uso de energia elétrica”. Observou que este modal preservará a área verde da Avenida Paralela, enquanto o BRT propõe a pavimentação.
Dentre as comparações VLT/BRT, informou que o VLT transportará, por hora, entre 35 e 50 mil pessoas e o BRT entre 9.600 e 16 mil. Frisou que não prega o fim dos ônibus, mas um “planejamento que integra metrô, VLT, ônibus, veículos particulares, motocicletas e bicicletas”.
Integrante da Comissão da Copa, o vereador Alemão (PRP) lamentou que “nunca fora convidado para debater o metrô, quando esteve à frente da associação do seu bairro”. Para ele, os debates sobre os modais BRT e VLT têm servido para dar mais esclarecimentos, ajudando na definição do que será melhor para Salvador. “Não quero uma escolha que fique defasada em pouco tempo”, destacou.
“O tempo está passando e não temos definições de datas e nem de obras”, disse preocupado o vereador Alberto Braga (PSC) ao criticar o Plano Diretor da Copa do Mundo na Bahia, que fora apresentado pelo vereador Sandoval. Sobre o modal de transporte, pediu comparativo de custo. Segundo Álvaro, a implantação do VLT necessitará de R$ 3 bilhões e do BRT de R$ 600 milhões.
No entendimento do assessor técnico da Comissão da Copa, Nelsival Menezes, que conferiu o funcionamento do modal VLT na Europa, este apresenta eficiência no cumprimento dos horários e em matéria de segurança.
Também participaram da reunião de trabalho os vereadores TC Mustafa (PT do B) e Cristóvão Ferreira Júnior (PDT) e os assessores técnicos da Comissão da Copa Francisco Salles, Clementina Santos e Aurelino Souza.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Metrô do Cariri vence prêmio nacional de sustentabilidade e é exemplo a ser seguido pelos baianos

Metrô de Cariri(CE) - Um bom exemplo a ser seguido pelos baianos
O Metrô do Cariri, projeto do Governo do Estado do Ceará, foi o vencedor do Prêmio GreenBest 2011, na categoria Transporte, pela votação popular. O prêmio, criado pela empresa Greenvana, na categoria na qual o modelo cearense foi vencedor, reconhece iniciativas de transporte urbano consideradas limpas, que contribuem para a preservação do meio ambiente. O anúncio dos ganhadores foi feito nesta terça-feira (17). A votação popular foi realizada online no site www.greenbest.com.br.

Na eleição do Júri Popular, o VLT do Cariri venceu dois modelos de ônibus movidos a hidrogênio, um do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); e outro da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU/SP). Já pela votação da Academia GreenBest, o vencedor foi o modelo do Rio.

O Prêmio GreenBest 2011 é um reconhecimento ao projeto do Governo do Ceará que requalificou o transporte ferroviário de passageiros no interior do Estado. Executado pela Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos - Metrofor, vinculada à Secretaria da Infraestrutura do Estado, o VLT do Cariri foi inaugurado no dia 1º de dezembro de 2009. O serviço de transporte liga as duas principais cidades da Região Sul do Estado, Juazeiro do Norte e Crato, ao longo de 13,6 quilômetros. 

O sistema é operado com veículos leves sobe trilhos (VLTs), que estão ganhando o mundo como uma solução inteligente na área de transporte e de menor impacto ambiental. O VLT do Cariri foi implantado para aproveitar ao máximo a malha ferroviária então existente, o que implicou na redução do número de dormentes usados. O transporte também usa biosiesel, combustível ecologicamente mais correto, e apresenta índices baixos de poluição sonora.
  
Os VLTs que operam no Cariri usam uma tecnologia local, visto que são fabricados pela Empresa Bom Sinal de Barbalha. A fabricação das composições estimulou a indústria ferroviária nacional, que não produzia novos trens desde a década de 1970.
  
O gerente de Controle e Tráfego da Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos - Metrofor, Antonio Chalita de Figueiredo, diz que o Metrô do Cariri trouxe melhorias significativas à qualidade de vida da população da Região. "Os usuários ganharam um sistema seguro, limpo e confortável dando a oportunidade de melhorar o direito de ir e vir. A implantação das estações trouxe uma melhora significativa da região em que ela se encontra, criando praças e acessos urbanizados que hoje é utilizado pela população lindeira", diz.
  
Fonte: Assessoria de imprensa do Metrô de Fortaleza

Do analfabeto político é que nasce o corredor de ônibus (BRT) e o engarrafamento

Participe do movimento "Eu quero VLT em Salvador"

Governo do Chile estimula o uso da bicicleta

O governo do Chile lançou o projeto Pedalea ao Colégio, que busca fomentar o uso da bicicleta como meio de transporte desde a infância. O objetivo do governo chileno é promover a atividade físicae e a vida saudável dos estudantes, que registram cada vez mais índices altos de obesidade.
O projeto está sendo operado inicialmente em três colégios de Santiago, capital chilena, e os jovens ciclistas pedalam por ciclovias seguras acompanhadas por monitores.
“Queremos que os chilenos usem mais bicicletas. Como governo, nossa meta é duplicar até 2014 a importância da bicicleta como meio de transporte no país, e este projeto va inessa direção, pois permite o uso da modalidade desde a infância”, afirmou o ministro.
O ministro afirmou ainda que o projeto vai de encontro aos objetivos do governo regional de Santiago, que quer fazer da capital uma cidade modelo para o uso das biciletas.
As crianças que participam do projeto “Pedale ao Colégio” moram em um raio de até 5 quilômetros da escola. Dentro deste raio, a administração da escola escolheu pontos de encontro de onde partem as caravanas até o colégio, escoltados por monitores adultos.
Esse é um ótimo exemplo de projeto simples, mas que pode render muitos frutos no futuro. As crianças ficam mais conscientes em relação ao papel da bicicleta e, quando se tornarem adultos, irão pedalar ou, pelo menos, respeitar os ciclistas.
Assine aqui o Manifesto de apoio ao VLT e Metrô.

Não basta reclamar do caos que estamos vivendo nem dizer que os políticos são os culpados, seja ativo, participe do movimento "Eu quero VLT em Salvador", o momento é grave e decisivo: ou a cidade de Salvador e Lauro de Freitas tem Metrô ou VLT agora ou nunca mais terá, veja a matéria com o vídeo explicativo: Seminário de Mobilidade na Assembléia Legislativa.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Sem Metrô, sem VLT, sem ônibus, sem ciclovia e com fé que tudo isso mude logo

Sem Metrô, sem VLT, sem ônibus, sem ciclovia e com fé de que tudo isso mude logo

Assine agora o manifesto, participe ativamente da campanha "Eu quero VLT em Salvador" e mude esta triste realidade. Clique aqui!

Transporte sobre rodas ou por trilhos?

Em 2014 nosso país sediará pela segunda vez a Copa do Mundo de Futebol e, com isso, inúmeras obras serão feitas nas cidades-sedes para se adequarem as exigências que a FIFA impõe. São estádios, ginásios, hotéis, estradas, portos, aeroportos e muitos outras obras que visem dar mais fluidez e melhorar as imagens dessas cidades para o mundo.
Contudo, em muitas delas um dos temas que mais são discutidos e que mais levantam polêmicas está relacionado ao sistema de transporte. A maioria das cidades precisa implantar algum sistema novo nos seus territórios e dois modelos de transporte de massa são os mais discutidos: o BRT (Bus Rapid Transit) e o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). Isso tem gerado muitos impasses e inúmeras discussões de qual é o mais eficiente.
No geral, por ser um modelo que teve maior repercussão a partir de Curitiba, o BRT tem estado na dianteira dessa briga pelo fato dos ônibus serem os veículos utilizados, ao contrário do VLT que usa trens. Nosso país cresceu privilegiando o sistema rodoviário de transporte e isso ainda se reflete nos dias de hoje, porém investir novamente em um projeto de longo prazo baseado em veículos com motores à combustão é um retrocesso.

Aqui em Salvador ainda está nessa discussão. O principal argumento da implantação do BRT é o seu tempo para ficar pronto, que, dizem os governantes, é menor, por isso haveria tempo de sobra para implantar esse modal, ao contrário do VLT. Porém, como poucas pessoas sabem, o metrô desta cidade está sendo construído a mais de 12 anos para um linha de pouco mais de 5km, e isso é um forte argumento para impedir a implantação do VLT, mas não se fala que a estrutura e o gasto do VLT são bem menores que a de um metrô e que não precisam ser feitas grandes obras, já que os trens ficam em superfície compartilhando o espaço com os outros modais, como os ônibus comuns, carros e bicicletas.
       


Pensando no longo prazo, os danos são ainda maiores com o BRT. A vida útil dos ônibus são bem menores que a dos trens, cerca de 5 contra 20 anos; uso de combustível fóssil ao contrário do VLT que usa energia elétrica; capacidade de passageiros muito menor, cerca de 160 contra 750 num mesmo veículo. Só esses números mostram que o sistema de transporte em trilhos é mais eficiente que os velhos e atrasados (por mais modernos que sejam) ônibus.
Aqui na cidade de Salvador existem algumas mobilizações por partes de indivíduos e entidades para que a prefeitura escolha o VLT. Há uma petição pública online, que pode ser acessada e assinada aqui. Há um blog específico sobre isso e que já ganhou certa repercussão na cidade, inclusive.
Os governos estaduais e municipais precisam parar de servir às empresas de ônibus. Aqui em Salvador, a principal patrocinadora e que entregou o projeto do BRT chama-se SETPS, que é a “dona” do transporte público de massa e que paga uma boa quantia ao principal jornal da Bahia e do Nordeste, o A Tarde, para fazer revistas mensais glorificando o BRT e destruindo todas as outras opções. Mas, no geral, o principal argumento dos governantes e das empresas que entregaram os projetos é o tempo hábil.
Mas, digam-me, se esses projetos são de longo prazo, por que tudo se faz pensando apenas até 2014? E depois de 2014, o que vai ficar para nossas cidades? Sistemas de transporte velhos, atrasados, altamente impactantes e que privilegia as áreas ainda mais privilegiadas no espaço urbano não são as saídas para a resolução ou melhoria dos problemas cotidianos nos quais vivemos. Precisamos pensar nas pessoas que realmente utilizam o transporte público e pensar no que esses sistemas trarão para as cidades de prejuízos e benefícios, inclusive os que tocam na questão ambiental.
E, defendendo abertamente minha posição, que vamos aos VLT’s, assim como Cariri e Crato aqui no Brasil que já usam esse sistema, e assim como as diversas outras cidades no mundo afora que já utilizam com bastante sucesso.


Comitês Regionais

As ações para crescimento da campanha "Eu quero VLT em Salvador" está dando resultados. Estamos em processo de montagem dos Comitês Regionais nas seguintes localidades:
- Lauro de Freitas - Já tem membros;
- Camaçari - Já tem membros;
- Simões Filho - Já tem membros;
- Cajazeiras - Tem um único membro, necessitamos de mais voluntários.

Podemos criar outros Comitês Regionais a depender da solicitação de vocês.

Envie e-mail para vltemsalvador@gmail.com e inscreva-se.
Facebook/vltemsalvador
Twitter/vltemsalvador

domingo, 15 de maio de 2011

Comparação entre 60 cidades conclui: menos carros, menos problemas

“Quem escolhe investir em novas pistas de rodagem incentiva não só o uso do carro, mas uma ocupação da cidade baseada no círculo vicioso de congestionamento, poluição e stress”. A afirmação foi feita pelo especialista em cidades sustentáveis Jeffrey Kenworthy durante seu simpósio na 15ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, dia 25, em São Paulo. O australiano Kenworthy é professor-convidado da Universidade de Frankfurt, na Alemanha, e há décadas vem alertando para os riscos do aumento descontrolado das frotas de carros em circução nas cidades, como ocorre no Brasil.

Em um de seus livros, “Sustainability and Cities: Overcoming Automobile Dependence” (Sustentabilidade e Cidades: Superando a Dependência do Automóvel, de 1999), Kenworthy compara dados sobre o trânsito e a qualidade de vida em 60 cidades do mundo. O resultado dessa comparação confirma uma ideia que parece óbvia: uma cidade se torna pior para seus moradores quanto mais carros houver nas ruas.

Segundo Kenworthy, as cidades com mais quilômetros de trilhos (sejam eles de metô, trem urbano ou veículos leves) oferecem não apenas transporte mais rápido, seguro e confortável. Elas são também as que menos desperdiçam recursos – o que vai de combustíveis a investimentos diretos do setor público, passando por horas trabalhadas e atração de novos negócios.

As cidades que pouco ou nada investem em trilhos, por outro lado, costumam ser aquelas em que as pessoas vivem pior e onde os governos arcam com mais gastos diretos. Além da despesa constante na manutenção das vias (do recapeamento à sinalização) há custos maiores com a saúde pública e o sistema judiciário: acidentes, atropelamentos e até brigas de trânsito que poderiam ser evitados deixam tanto os hospitais quanto os tribunais lotados. Além disso, as taxas de emissões de poluentes são sempre maiores onde há mais carros levando pessoas para o trabalho.

Em São Paulo, há 24 mortes no trânsito para cada grupo de 100.000 habitantes. A taxa supera a de homicídios no Brasil, uma das mais altas do mundo. Jeffrey Kenworthy entende que São Paulo está entre as cidades com os mais graves problemas de mobilidade. Mas não entende por que a prefeitura e o governo do Estado insistem em construir mais vias para a circulação de carros, como a obra que dará seis novas pistas à caótica Marginal do Tietê.

“As cidades têm uma dinâmica influenciada pelo próprio meio de transporte. Quanto mais avenidas, mais carros. E maior a distância entre as pessoas”. Ele afirma que as soluções radicais são possíveis. E dá alguns exemplos: “Em Nuremberg, quando a administração pública restringiu o uso do carro, 71% do trânsito desapareceu. Em Perth, 55% dos atuais usuários de trens urbanos são pessoas que andavam de carro – e simplesmente os abandonaram”, afirma. Segundo ele, ao deixar seus carros as pessoas circulam mais a pé, o que é bom para a economia da cidade pois fortalece o comércio local, baseado em pequenos estabelecimentos.

Sem carro, as pessoas tendem a reduzir seus deslocamentos, preferindo concentrar trabalho e lazer perto de onde moram. “Em Portland, Oregon, nos EUA, o uso misto foi expulsando os carros das ruas. As pessoas pediam mais espaço para andar a pé e de bicicleta. A solução foi deixar apenas uma linha de bonde no meio das ruas, ampliando as calçadas e criando ciclovias”. Não parece tão difícil seguir exemplos assim.

Celso Masson
Fonte: Blog do Chicão

Lisboa tem transporte de qualidade: VLT, Metrô, e Trem.

As cidades de Salvador, Lauro de Freitas, Camaçari e Simões Filhos não podem estar relegadas ao passado, a referências de corredores de ônibus da década de 70 em um modelo de transporte ultrapassado e de interesse de poucos. Precisamos ter como referência os sistemas de mobilidade urbana mais desenvolvidos, que estão baseados nos trilhos (VLT, Metrô e Trem) e ecologicamente correto como a bicicleta. Nosso desejo é termos um transporte público de qualidade sobre trilhos. Veja um vídeo da cidade de Lisboa que possui VLT e Metrô em toda a cidade.